Saturday, December 14, 2013

TIME Magazine adds to the hysteria surrounding the sexual exploitation of children at the World's Cup

TIME magazine has now tossed it's hat into the ring in the sexual exploitation of children panic that's brewing surrounding Brazil's World's Cup. You can read it here.

This is my response, which Time won't let me publish in their "Comments" section.

Hi. I'm an anthropologist who has been studying prostitution, sexuakl tourism and trafficking in Brazil for some ten years now.

Let me address some of the misconceptions this article raises.

1) Brazil has a very large problem with the sexual exploitation of children. Like most countries, however, the vast majority of this problem is not concentrated in brothels or in the tourism sector, but out in the neighborhoods and in the Brazilian family itself. As an example, the city of Forteleza (one of the host cities of the World's Cup) currently has open twenty cases of underaged prostitution (six of which involve foreigners) and TWO THOUSAND cases of sexual exploitation of children that have nothing to do with prostitution or tourism. This is an issue which our family-values oriented congressmen and -women, like Ms. Liliam Sá, cited above, simply do not want to deal with. It is much more politically expedient to bang the sexual tourism panic drum than to say anything against the sacred Brazilian family, which generates the vast majority of cases of sexual abuse and exploitation in our country.

2) Not to suggest that an ex-pimp and child trafficker who's claimed to have found Jesus might not be an honest or accurate witness, but in ten years of work researching Rio de Janeiro's brothels - and particularly the sex work venues that cater to tourists - I have not encountered a single child prostitute. Frequent police raids on these establishments also generally come up a cropper. There are a few cases, of course, but I can count them on the fingers of one hand, from over a ten year period. Where, then, are these legions of child prostitutes? If the police and I and my co-researcher, Dra. Ana Paula da Silva can't find more than a handful in all the hundreds of commercial sex venues in Rio de Janeiro - and believe me, we've been actively looking for underaged sex workers - then where are these kids?

3) Before every major sports event over the last 20 years, there have been apocalyptic claims that the invasion of legions of sports fans would lead to an increase in prostitution and a consequent increase in trafficking. These claims have NEVER been substantiated: in fact, they've been consistently debunked. Before the World's Cup in Germany, it was estimated that 40,000 women would be trafficked for the games: during the event, massive police actions discovered discovered five. You can read the report of one of the oldest and most prestigious global anti-trafficking organizations regarding the false claim that sports creates trafficking here: http://www.gaatw.org/.../WhatstheCostofaRumour.11.15.2011... Please read it and decide for yourself what evidence exists that sports causes trafficking and the sexual exploitation of children.

4) The moral panics surrounding trafficking and the sexual exploitation of children at mega sporting events have often resulted in public policies that do not help children but which criminalize and mistreat prostitutes. This was the case at last year's Superbowl in New Orleans, where a local and federal task force arrested close to 100 women and found 5 possible victims of trafficking (who were released and never showed up to court). The arrested women lost their children, lost their non-prostitutio-related jobs, acquired police records, got jail time (in some cases, years) and were stigmatized, all in the name of saving victims that were never found. In city after city, pre-game "anti-trafficking" campaigns have been used to arrest and brutalize prostitutes and they have never - repeat NEVER - discovered the hordes of trafficking victims police claim exist. Either the world's police are completely incompetent when it comes to finding these victims or we are being lied to by people who profit - politically and otherwise - from a terrified populace.

5) It is particularly disheartening to see Brazil's award-winning anti-HIV campaign maligned by Liliam Sá as somehow "promoting child prostitution". The cornerstone of Brazil's campaign, which has been proven effective, has been to treat prostitutes like adult citizens, with all the rights and responsabilities that entails. This is because it is a well known fact that HIV prevention campaigns have a direct link in efficacy with sex worker self-esteem. The campaign in question was organized and created by sex workers themselves and it was set up to encourage people to see them as citizens worthy of dignity and respect and not as criminals or powerless victims. It had NO connection to child sexual exploitation, nor did it portray prostitution as a great experience. The campaign was cancelled after complaints by the Christian far right: not because it encouraged child prostitution. It verges on journalistic dishonesty that TIME would cast the campaign in this light without allowing a dissenting voice to contradict Sá's incredibly ideologically-imbued reading of the campaign. Listening to Liliam Sá regarding prostitutes is like listening to Michelle Bachmann regarding gays.

Brazil has dozens of sex workers'rightds associations: how is it that TIME magazine couldn't be bothered to talk to even one of these, but has instead taken all its primary sources from groups which have a vested political interest in the criminalization of sex workers, particularly far right religious groups?

In short, as someone who is intimately associated with prostitutes' rights organizations in Brazil, I fear that the frankly yellow journalism which surrounds this issue is going to lead - as it has lead in other World's Cups and Olympics - to the criminalization, expulsion and marginalization of an already vulnerable population: sex workers. Arresting and stigmatizing adult, consensual sex workers does absolutely NOTHING to save enslaved children.

Oh, and by the way... Speaking from long experience, I highly doubt that "Thiago" is telling the truth about a single damned thing when it comes to his past experience. If he's being honest about himself, this is a guy who ran child sex slaves, didn't spend a day in jail for it and who now claims that Jesus has made everything all better. This is obviously the type of guy TIME should NOT use as primary source when it comes to reporting on a very sensitive and complicated story. Why has "Thiago" been interviewed and not a single woman from any one of Brazil's numerous sex worker organizations?

Apparently, TIME - like Liliam Sá - doesn't feel that sex workers have anything worthwhile to say about themselves.

Sunday, December 8, 2013

ESPN gifts us with free Nelson Mandela

 


So, are you sick of hearing The Special's  Klassic hit on corporate T.V. yet?

"Think Progress" has just posted this much-needed corrective to all the insti-hagiography's being produced by mainstream media's busy little worker bees...

When Nelson died, Ana was watching American ESPN. I listened in and I couldn't believe how they were treating Mandela: like a saint!

Now don't get me wrong: the first time I was arrested, it was for building a shanty town on the Wisconsin Capitol's lawn, protesting the state's investments in South Africa.  The Special's "Free Nelson Mandela" was the first song on my killer Anti-Apartheid cassette tape mix.

I literally jumped for joy the day Mandela got elected and felt that my political efforts had - in a very tiny way - aided in putting the man in the presidential seat, where he belonged. It felt like I was a teeny part of a very hard fought and necessary victory. I remember dancing down Avenida Paulista that day!

But even in those times, when I listened to Caron Wheeler and Claudia Fontaine begging us to free Nelson Mandela, I mentally added "...with every 40 dollar purchase" to the end of the chorus.

Nelson was a freedom fighter, a rebel, a guerrilha and - yes - a terrorist. For the world's best cause, but that is indeed what he was. He didn't convince South Africa to change through being a great guy in prison: he helped build a movement that FORCED the end of apartheid, using bloodshed, if necessary. And, even so, it took almost a half century to do it.

Nelson was also a complex man and, like any other human being, full of fail.

Now, it just so happens that I agree with every thing that Mandela believed that's on this list, but good luck seeing any of this coming out in the wave of pre-chewed corporate-built life retrospectives that are currrently inundating us.

So to see these dumb jock commentators hauling Mandella up as a candidate for post-modern sainthood really brough up some complex feelings for me. These were the guys who, back in the day, didn't give  wet rat's ass about apartheid and, if they thought of Manela at all, probably pigeon-holed him as a commie agitator and dangerous man ( which he was) who was justly imprisoned (which he wasn't).

Listening to ESPN's blow-dried beauties blathering on about the South Africa of the 1980s and calling it fascist - on coprorate T.V. , no less - made me shake my head. Now that Nelson is good and dead, corporate media can safely turn him into another saintly black sufferer-for-justice, a man with no teeth and no balls.

The ESPN documentary on Nelson even had  Morgan Freeman doing the voice over, ferchrissakes. I mean, talk about your complete "Magical Negro" package....




Cracker, please.




Sunday, November 10, 2013

Para todas minhas Patricinhas tristes....

 

 por Thaddeus


Sempre me irrita com os sentimentos de "indignação"  e "tristeza" que as moças de boas famílias - quase sempre brancas, quase sempre da classe média para cima - sentem ao respeito das prostitutas

Escrevi o mini-ensaio abaixo respondendo a uma boa moça que sinceramente se comove com o dilema das prostitutas, achando a situação delas "uma tristeza" e que ela "tinha certeza" que essas mulheres não gostam do que fazem. Afirmou que eu não podia dizer que a situação delas era boa.

Acho que minha resposta merecia um público maior, então... Mudei o nome da moça.



Cara Poliana, você deve estar absolutamente engolida pela tristeza cada vez que você anda pelas ruas de nossa cidade!

Afinal das contas, as caixistas do supermercado que contabilizam suas compras, a moça da manicure que faz suas unhas, a senhora faxineira que limpa sua casa e - quem sabe - prepare sua comida , a balconista do botequim onde você toma seu cafezinho, a ascensorista do prédio onde você estuda ou trabalha, a tia que te vende a cerveja do isopor no Carnaval e cuidadosamente cata sua lata...

Nenhuma dessas mulheres faz o que faz "por querer". Quer dizer, se você de fato tivesse uma consciência social que te levava a tristeza cada vez que você vislumbrava uma mulher fazendo um trabalho que não gosta na nossa sociedade...

Puxa, haja Rivotril!

Mas duvido que você tem essa consciência social tão desenvolvida assim. Você é como eu: você edita a maioria dessas tristezas de seu dia-a-dia para puder sobreviver, emocionalmente.

A pergunta, então, é porque as prostitutas te levam a esse sentimento e - mais importante - o que que Maria ganha com isto?

Pois, pelo teor de seus comentários, você imagina muito sobre a prostituição e sabe pouco, embora se entende como atenuada com a situação.

Falando em "o estado de total vulnerabilidade" dessas mulheres... Bom, isto é, em primeiro lugar, não tão total quanto você pode imaginar, comparado com a situação de outros trabalhos. Muitas das mulheres que entrevisto falam nas violências e assédios sofridos em outros trabalhos e salientam, positivamente, as condições de segurança onde atualmente trabalham. Como uma me falava "Você acha que eu não era pressionada para transar com meu chefe quando trabalhava no supermercado?!", "Você acha que meu marido me tratou bem quando era casada?", "Você acha que a fábrica onde fiquei 20 anos teve ventilação e ar condicionado?"

Além disto, as condições de trabalho que você deve achar "digna" (pq não envolve sexo e vem com carteira assinada) são em muitos casos completamente arbitrárias.

Você, que presumo ser branca, classe média e profissional (olhando a seus fotos) tem capital social e financeiro para processar quem te desrespeita, mas a maioria das mulheres trabalhadoras do Rio não têm. Estou pensando no caso de uma moça que entrevistei recentemente na Praça Tiradentes que trabalhou 2 meses com carteira assinada numa construção civil no Centro. No final do processo, ela foi demitida por faltar um dia de trabalho. A empresa prendeu sua carteira de trabalho (está com ela até hoje - nossa, se fosse passaporte ela poderia alegar o tráfico!) e ela não viu um só centavo para os 60 dias que trabalhou. Voltou para Praça Tiradentes onde continua tirar o sustento. Haja trabalho escravo! E isto numa empresa que assina carteira de trabalho e supostamente dá "condições mínimas de trabalho digno".

Essa é a realidade do trabalho no Rio de Janeiro que nossas classes médias desconhece. É vulnerável e violenta - EM SUA TOTALIDADE. É roubada. Mas como não é a putaria, ninguém está dizendo "Tadinhas! Olha elas, fazendo o que não querem!"

Mas, terceiro, uma das razões que as prostitutas NÃO TÊM a capacidade de se defender, legalmente, é por causa dos esforços contínuos de "pessoas du bem" que acham o negócio do sexo "pouca vergonha" e lutam contra a regulamentação da profissão. Não sei qual é sua opinião sobre essa situação, mas tenho que admitir que já ouvi um bocado de gente branca, classe média, profissional que morre de dor pelas prostitutas, mas não escutam que suas organizações dizem: querem a regulamentação.

Para com as condições mínimas de proteção e dignidade, na prostituição... Você tem razão: eu não posso te dizer nada porque, aparentemente, você acha que já sabe tudo ao respeito.

Mas uma pergunta: de onde vem toda essa certeza sua, se não dos preconceitos e da mídia em massa? Salve Jorge? As matérias da Rede Record?

Estudo prostituição nessa cidade faz uma década. Conheço milhares de prostitutas. Vivo entrando e saindo de bordeis. Além disto, tenho um amplo conhecimento teórico da questão e posso afirmar uma coisa, com certeza: você está redondamente enganada e operando a base de preconceitos absolutamente superficiais e negativos se você acha que a prostituição, necessariamente, é mais abusiva que outras formas de trabalho "legítimas" em nossa cidade.

Tem prostituição de todos os tipos e uma moça de Centaurus, por exemplo, não está numa situação menos digno que minha amiga da Tiradentes quando trabalhava na construção civil. Uma escort que ganha 1000 reais por programa não está vivendo uma vida menos digna - ou necessariamente mais perigosa - que a sua. Ou você acha que vocês dois transam com homens totalmente diferentes e que os homens que ameaçam ela nunca podem ameaçar você, porque você não cobra?

E para com a maioria das prostitutas, trabalhando nas fast fodas ou em Vila Mimosa, vez após de vez, tenho ouvido essas mulheres afirmar que JAMAIS voltariam a ser garçonetes, babás, caixistas de supermercado, faxineiras etc. etc. Que consideram esses empregos tão abusivos quanto a prostituição, com o agravante que pagam bem menos.

É incrível, para mim, como mulheres - quase sempre brancas, quase sempre da classe média, quase sempre profissionais - afirmam saber tanta sobre a prostituição, sem aparentemente nunca dar ouvidos às mulheres que exercem a profissão. Se for muito, ouviram - uma vez - uma ex-prostituta paga por uma organização salvacionista dar palestra num seminário onde todas as opiniões contrárias são censuradas. Nunca entraram em bordel. Não falam com as mulheres ativas na batalha. Não escutam às organizações das prostitutas. Certamente não têm amigas putas.

Ahn, mas "não pode dizer nada" a elas sobre a prostituição, porque elas já sabem tudo.

Por osmoses, aparentemente.

Mas aqui é a razão que acho sua tristeza um pouco schmaltzy, Poliana.

Dado as condições de trabalho e de gênero vigentes em nossa sociedade, para você puder ser profissional da classe média, tem que existir um monte de mulheres subalternas, lavando, cozinhando, costurando, limpando e cuidando para você, todos ganhando o salário mínimo ou menos. A situação é igual para eu, também.

E a gente ACEITA essa situação numa boa. Sério. Não me diga que você se sente "indignada", pois sei que não é a verdade: você, como eu, só se sente indignada quando é de sua interesse. Pois se a gente parou para analisar e tomássemos uma posição REALMENTE indignada, estaríamos na rua, juntos com aquele economista e guardador de carros que deu um soco na Secretário de Ordem Público Alex Costa na semana passada.

Prostituta alguma quer seus sentimentos de tristeza, Poliana. Querem condições dignas de trabalho e o fim da estigmatização da profissão. Querem educação para seus filhos e opções de trabalho que podem pagar mais que um salário mínimo e que não envolvem a venda de sexo. Querem arranjar um homem rico para casar. Querem clientes finos, que as tratam bem. Querem o fim dos subornos policiais e da crescente criminalização da profissão por vias do Cavalo de Troia que é o movimento anti-tráfico.

Querem muitas coisas, as putas.

Agora, nunca ouvi uma prostituta sequer dizer, "Sabe que me falta na vida? O sentimento sincero das patricinhas."

E antes de você se revoltar, sim, você é "Patricinha" para elas e eu "Mauricinho". Não adianta fugir do rótulo.

É bom saber exatamente quanto vale seu sentimento nesse mundo.

Se você tem interesse em ajudar as prostitutas, posso te dar um monte de sugestões. Mas se a única coisa que você vai fazer é sentir triste e afirmar que você já sabe tudo ao respeito das condições de trabalho delas... Bom, eu diria que este sentimento tem muito mais a ver com você e suas necessidades emocionais do que com a situação dessas trabalhadoras.


Wednesday, September 25, 2013

Homonationalism and Carceral Feminism




The following is an English-language reaction to Dr. Sarah Schulman's excellent closing speech at Fazendo Gênero 10 in Florianópolis.


Dear Dr. Schulman,

I very much enjoyed your speech at Fazendo Gênero 10 in Florianópolis and was particularly happy to see you bring up the topic of homonationalism, which has pretty much been unknown in Brazil up until now (“Terrorist Assemblages” being unavailable in Portuguese). Like you, I am very much worried about the “familiarization” of the LGBT movement and the increasing alliances sections of it seem to be making with racist, colonialist and nativist tendencies, particularly in Western Europe and North America.

However, I am also concerned about the false dichotomy you seemed to create between the LGBT movement and feminism in your presentation.

In your speech, you describe a LGBT/Queer/Gay movement that is increasingly polarized between homonationalistic groups and those forms of homosexuality which cannot achieve the respectability of “family” and “nation”. Against this, you poise a rather homogenous and curiously blameless feminism. I say “curiously”, because as Jasbir Puar went to some pains to point out in her book, white, “first world” and middle class feminisms are acquiring characteristics that are quite similar to homonationalism.

First of all, it’s worth noting that the LGBT movement is not alone in moving towards “family values” as a way of gaining increased legitimacy for its more privileged members. Here in Brazil, official state feminism has very much gravitated towards the figure of “woman as mother” in many of its most recent initiatives – particularly “family scholarships” (stipends given to poor women to keep their children in school) and our new Maria da Penha law, which qualifies violence towards women as something happening within the context of the domestic spaces of stable family units. While both of these initiatives have had more-or-less positive effects, it’s should be of some concern that feminist initiatives focusing on non-motherly women (particularly attempts to legalize abortion) have become ever more demonized and beyond the pale in Brasília.

Secondly, as Puar, Kristin Bumiller, Roger Lancaster and many others have pointed out, there is an increasingly hegemonic tendency within feminism that is allying itself ever more closely with the neo-liberal carceral state. This brand of feminism has, in particular, been extremely active in militating for a more intensified criminalization of prostitution. It also has been notably silent regarding the increasing use of anti-human trafficking operations and policies to target immigrant women for surveillance and deportation. As Judith Butler has remarked, we are entering an age of increasingly regulatory regimes where the binary between hetero- and homosexuals (and, indeed, men and women) is being replaced by an emphasis on illegitimate and legitimate partnerships. Within this shift, ever-greater numbers of white, first-world feminists have moved towards giving the state enhanced powers to survey and discipline population categories whose forms of sexual exchange are deemed to be unacceptable. While the rhetoric behind this shift relies on a simplistic equation of prostitution with violence towards women, in practice, it often means increased criminalization of certain “suspect” populations – most notably non-white, immigrant, poor and working class populations.

In the United States alone, some 60,000 people a year are arrested on prostitution charges, with the notorious race and class imbalances we’ve come to expect from the U.S. criminal justice system. The current trend among carceral feminists is to push for increased arrests and incarceration, allied with the transformation of women caught up in this system from rights-bearing subjects into what Paul Amar calls “parahumans”: suspects under the control of privatized rescue agencies. Women caught in these nets risk losing their children, jobs, livelihood and places of residence. And, as we’ve seen in so many recent cases (that of Melissa Petro, a school teacher fired for admitting that she had once worked as a prostitute), these women are stigmatized, generally for life, and pushed to the margins of the economy, recreating the general conditions that led many of them to work in the sex industry in the first place.

The main locus of this carceral feminist drive can be found in the U.S. and Western Europe, which are busily exporting the criminalization of prostitution to countries like Brazil in a manner quite reminiscent of early forms of colonialism. As a Brazilian who is well aware of the fact that our country has a thoroughly militarized police force which is responsible for the deaths and disappearances of thousands of Brazilian citizens a year, I am aghast at the naiveté (or is it cynicism?) of a first-world feminism which preaches criminalization as a solution to the problems of prostitution in our country.

Has not the U.S.-fomented drug war been enough? Over the last thirty years, this failed attempt at prohibition has killed hundreds of thousands in Latin America and jailed millions (again mostly poor and non-white) without noticeably affecting the sale or consumption of illegal drugs. Given this, one would think that a feminism that is truly committed to justice and inequality, as you posit, would at the very least be hosting a robust discussion regarding the current drive to prohibit and criminalize the sale of sex. Instead, we are apparently meant to presume that every nation in the world will be able to have the same conditions of social and economic justice as Sweden (where, one notes, the criminalization of prostitution is still stigmatizing and killing women). What is worse, the relative handful of feminists who are criticizing this renewed carceral drive (which is really a form of slut-shaming at its most basic level) are being increasingly stigmatized themselves, often even openly insulted by other feminists as “pimps” and worse.

This is why it came as something of a surprise to hear you cast “feminist values” in such homogenizing, singular and universally positive terms. I was particularly distressed by the following generalization which you made towards the end of your speech:

“[F]eminists take the responsibility to dissipate fear, we do not feed it. We are invested in the uncomfortable but humanizing conversations that help people shift their positions and build lives of authenticity and depth. We do not gang up on people, we do not shut down humanizing processes, and we do not shun.”

I’m sorry, but while this is a stirring affirmation of what you (and I) personally believe about feminist values, it is not correct with regards to feminism, tout court. It is not true of the increasing number of feminists who feel the need to shun, ostracize and exclude sex worker and prostitutes’ rights-oriented feminists from public forums. It is not true of the many feminists who accritically repeat inflated or openly fabricated numbers regarding human trafficking in order to push for tighter border controls and greater policing of immigrant communities. And it is CERTAINLY not true of the feminists who have done everything in their power to starve sex worker activist groups of desperately needed funds and legitimacy.

During the Fazendo Gênero 10 conference, I and my colleagues got an up-close and personal view of a brand of feminism that very much relies on fear-mongering and bullying, shunning, bombastic declarations and feeling threatened as part of its tactics of action. A group of self-proclaimed “radical feminists” attempted to appropriate our table on sex markets and feminisms in order to turn it into a prohibitionist forum, completely ignoring the content of the many excellent papers that were presented by the members of our table. When the organizers (two feminist women and myself) refused to allow them to do this and, instead, invited them to present their concerns and dialogue with us after the papers had been discussed, the group stormed out, insulting all and sundry as “legalists” and “queer macho pimps” (whatever that may mean). Over the next couple of days, the door to our room acquired a series of ever-more offensive home-made “posters”, denouncing the table and its organizers as criminals, patriarchs and pimps. We later discovered that this same group invaded at least one other table (on queer gender), taking the floor for over fifty minutes and refusing to allow other participants to talk.

It is very hard, after experiences like these, to read words which seem to contrast a supposedly fragmented, ever more conservative and homonationalist LGBT movement against a basically morally united feminism, described as universally committed to justice and equality.

I would suggest that one of the key challenges facing feminism today is the adoption of an intersectionalist critique of the world which, by necessity, means understanding that feminism itself can no longer be seen as a morally united political field. While it is true that homonationalism is reframing and fragmenting the LGBT movement along lines of race, class and nation, it is no less true that carceral feminism is accomplishing much the same thing in feminism itself. It is becoming ever more apparent, to me at least, that we are now properly within the post-feminism era – not in the sense that feminism is no longer needed, but in the sense that we cannot pretend that there is a cohesive and central moral position to feminism. Today, to say that one is a feminist is simply no longer enough. 

Monday, September 23, 2013

Can We Do It? Homonacionalismo e feminismo carcereiro



O Fazendo Gênero 10 usou (e até abusou) de variações da famosa imagem "We can do it!" de Rosie the Riveter em todas suas produções.

Achei isto uma opção interessante, dado a palestra final proferida por Sarah Schulman, que falava do conceito (largamen
te desconhecido no Brasil) de "homonacionalismo" para criticar, justamente, a ideologia de família e nação que está crescendo em certos cantos dos movimentos gays no ocidente.

A imagem de Rosie, de mangas puxadas e braço erguido (que tem ficado viral no Brasil nos últimos anos), é uma das imagens mais icônicas da força da mulher produzidas no último século. Pena que suas articulações às aspirações imperiais dos EUA são pouco lembradas quando a imagem é usada por feministas hoje. "Rosie the Riveter" era uma criação propagandística do governo dos Estado Unidos nos anos '40, usada durante a Segunda Guerra para incentivar a participação das mulheres nas indústrias bélicas daquele país.

A imagem de Rosie é, afinal, um excelente exemplo de um certo tipo de "feminismo nacionalista" (e bélica), muito semelhante ao "homonacionalismo" tão bem criticado por Schulman... Só que esse "feminismo nacionalista" já tem 70 anos de existência enquanto o homonacionalismo mal tem uma década de vida!

Dado esse fato, me parece irônica a sensibilidade que Schulman tem ao homonacionalismo.

O feminismo também tem feito (e ainda faz) seus flertes com o Estado e com Patriotismo - e não só nos dias passados. É bom meditar sobre o fato que o feminismo (ou pelo menos algumas das tendências mais importantes dentro do feminismo) também está se deslocando em direção ao nacionalismo e do aparelho do Estado no atual momento de crise econômica e política global.

Podemos citar, por exemplo, o novo abolicionismo que tem tomado conta de boa parte do feminismo e que aposta na repressão da prostituição pelo aparato policial do Estado, sem tomar em consideração os efeitos prováveis dessa "militarização" da questão em sociedades profundamente travessadas por questões de raça e classe como Brasil e os Estados Unidos. A falta de análise histórica sobre os efeitos do proibicionismo de álcool (nos EUA na década de 20) e das drogas (em quase todo o mundo após da década de '60) parece ser quase absoluta em círculos feministas abolicionistas - particularmente aquelas lideradas por pessoas oriundas das classes mais abastadas, associadas às ideologias tradicionais de colonialismo ocidental.

Outro aspecto dessa "virada em direção ao Estado" tomada por certos feminismos nos últimos anos tem sido sua aceitação acrítica do assim-chamada "luta contra o tráfico humano". Em muitos países, esse tema (que remete em muitas instâncias à retórica nativista e racista da cruzada contra a "escravidão branca" da década de '20) tem sido mobilizado pelo Estado para reprimir às migrações ilegais e irregulares, colocando em perigo as vidas e a liberdade das mesmas mulheres que as políticas anti-tráfico teoricamente veiram auxiliar.

O fato é isto irmxs: vivemos num mundo cada vez mais repressor e conservador, cujos elites parecem cada vez mais aptos a lançar mão de políticas de repressão para manter seu controle. Tanto certas linhas feministas quanto certas tendências LGBT estão sendo tentados a aliar-se com o Estado nestes momentos, pois recursos, empregos e notoriedade podem aparecer para aqueles grupos que aceitam dar certa patina de legitimidade para ações repressoras lançadas em cima de populações suspeitas (quase sempre pobres e não brancas).

Neste momento de crise, é bom lembrar que a liderança de ambos os movimentos ainda continua a ser massivamente oriunda das classes médias e burguesas. Se esses líderes não adotam uma ótica verdadeiramente interseccional, munida por uma crítica ancorada na historia do colonialismo e capitalismo, as soluções alcançadas por estes movimentos hão de beneficiar só uma pequena minoria de pessoas: as que podem pagar por elas.

Bom, abrindo essa contemplação minha, resolvi postar uma inversão queer/humorística da imagem de Rosie, tão empregada pelo FG 10. Essa vem da revista on-line de humor "Cracked", de sua série de "Imagens Famosas Vistas por Outros Ângulos..."

Monday, July 29, 2013

Papa Chico afirma: "Quem sou eu para julgar os gays?"



  




















por Thaddeus

Complete and utter bullshit.

É incrível a força que a Igreja Católica tem nesse país, talvez particularmente entre gente que se afirma ser de esquerda e ateus ou "ex-católicos".

Por exemplo, hoje minha rede social está cheia de gente que está repostando as noticias que o Papa Chico afirmou não ter o poder de julgar os gays.

Aparentemente, isto é uma afirmação "radical" para um membro da Igreja. Pelo menos é isto que vários de meus amigos dizem.

O que é, porém, é a marca de uma certa falta de pensamento crítico entre nós que supostamente apoiam a causa LGBT.

É só ler um pouco da matéria que você logo chega na seguinte afirmação do Chico:

"The problem is not having this orientation. We must be brothers. The problem is lobbying by this orientation, or lobbies of greedy people, political lobbies, Masonic lobbies, so many lobbies. This is the worse problem." [Desculpe pela versão em inglês.]

Ahn, ´tá. "Irmãos", então. O que Sua Santidade está dizendo é o seguinte: "Guarda as bandeiras, Movimento LGBT. Vocês são um 'lobby' e um lobby é desnecessário pq somos todos irmãos. Podem ter certeza que a Igreja vai fazer a coisa certa. Afinal das contas, quando é que a Igreja não protegeu seus irmãos LGBT?"

Meu deus no céu, será que eu sou a única pessoa que vê a absurdidade dessa posição? Sua Santidade está convidando o movimento LGBT a se desmantelar pois a fé cristão é a única coisa necessária para nós viver em paz.

Certo. E a Igreja, Chico? Vai também parar com seus lobbies? Pois sua fé é uma das mais politicamente organizada no planeta. Na última eleição brasileira, vimos o espetáculo de sacerdotes da Igreja orando do púlpito contra a Dilma, que supostamente apoiava o aborto.

Incrível.

E o cara de pau de comparar o suposto "lobby" do LGBT com os lobbies de corporações - corporações, aliás, que o Banco do Vaticano apoia com seu dinheiro - como se o movimento LGBT fosse aliado natural dos poderosos, corruptos e ricos.

Gente, toma cuidado! Esse papa tem tudo para ser o mais cara de pau de todos. Sabe muito bem manipular fatos e a mídia. E o que estamos vendo nesse Brasil pós-JMJ e quanta gente está disposta a jogar fora seus valores e seu senso crítico, só para ver o espetáculo de um Papa carismático que não seja obvia- e abertamente um grande canalha.

Chico não está dizendo NADA radical ao respeito dos gays. Ele está dizendo, em sumo, que os gays devem calar e esperar justiça nas mãos de seus "irmãos" católicos. Como é que alguém, olhando para a história da Igreja Católica, poderia duvidar disto?

E mais uma coisa: o Papa dizer que ele não tem o poder de julgar pessoas não é radical. É apenas uma afirmação da fé cristão. Afinal das contas, é supostamente o deus que julgue, neh? Chico não está dizendo absolutamente nada aqui que é radical ou que deve ser aplaudido.


Monday, June 24, 2013

Raízes, "astroturf" e o novo ambiente político do ativismo no Brasil



Um novo termo lexical precisa ser traduzido para português: "astroturf movement".

"Astroturf" é o gramado artificial que tem nos estádios de futebol nos EUA. Quando os americanos falam em "movimentos de raiz", falam em "grassroots movements". Ou seja: "Movimentos [que crescem] dos raízes do gramado." Portanto, um "movimento astroturf" é um movimento de raiz falso, artificialmente criado e mantido.

Obama e seus oponentes foram acusados de utilizarem tais movimentos em ambas as eleições de 2008 e 2012. E, em 2010, foi revelado que o National Security Agency , a CIA e o FBI estavam mantendo seus próprios grupos "astrotruf" na internet.

Em 2008, quase nenhum brasileiro sabia quem era Anônimo. Lembro tentando explicar o fenômeno para meus colegas na ABA e na BRASA daquele ano e todo mundo me olhando como se eu fosse maluco. O Brasil, a meu ver, está uns 2-4 anos atrás da crista da onda nesses desenvolvimentos. Nossos primeiros grupos astroturf só sugiram na última eleição presidencial e, mesmo assim, não impactaram na consciência pública de maneira decisiva.

O que estamos vendo agora, nas teorias conspiratórias que cercam o atual crise, é a percepção, em massa, que a internet de fato abriga todos os tipos e todos os movimentos. É bastante difícil para alguns de meus colegas - particularmente aqueles que tem orientação nacionalista e/ou socialista - entender como essa nova meio ambiente política funciona. Encarando o que lhes parecem como caos, eles recuam em favor dos antigas teorias políticas e sociais de sua criação.

O fato, porém, é que quase todo mundo está fazendo isto no Brasil hoje: direita, esquerda e os apolíticos. É, enfim, uma espécie de reação fundamentalista intelectual: em momentos de crise, agarra-se mais ainda nas dogmas de sempre. Portanto, tem gente achando que tudo isto é complô da CIA... Que é orquestrada pelos bancos multinacionais... Que é tudo complô da aula reacionária das forças de segurança e as milícias... que é, de fato, uma conspiração bem pensada do Comando Vermelho.

Enfim, conhecendo-se a posição política "tradicional" (quero dizer, na tradição da política dos últimos 40 anos) de um brasileiro hoje, você conhece qual vai ser a sua teoria conspiratorial sobre as manifestções.

O que ninguém quer falar é que tudo isto pode ser uma simples efeito colateral da democratização dos meios de comunicação em momento de crise política. Estamos a frente de um novo ambiente político, proporcionado pela internet e pela irrelevância crescente da mídia tradicional. Não temos mais nenhuma "narrativa nacional" coesa sobre os acontecimentos políticos do dia-a-dia e, nesta situação, conflitos localizados e/ou setoriais podem explodir repentinamente em movimentos populares de massa, dado certas precondições.

A Revolta dos 0.20 Centavos, como a Revolta da Vacina no século passado, prefigura de forma inepta e imperfeita as formas políticas urbanas que se instalariam durante o novo século . As formas antigas de fazer a política perderão, cada vez mais, sua utilidade.

Os grupos que aprendem mais rapidamente a se adaptar a esse novo meio ambiente político terão uma vantagem fulminante nos próximos vinte anos.

Me preocupo que o time com qual estou associado - a de direitos humanos, tolerância, e de uma democracia que pensa em termos sociais - está mais preocupado com 1964 do que com 2014. Em vez de aprender como podemos operar nesse novo ambiente, estão ocupados em lamentar a eliminação do velho.

Sunday, June 23, 2013

Golpe...? Ahn, 'tá!

Ilustração por André Dahmer, usada aqui sem permissão. Meu uso não representa desafio de seus direitos autorais. As opiniões expressas abaixo não são da responsabilidade de André, portanto, não enche o saco dele se você discorda.



por Thaddeus

Marília Moschkovich tem virado febre entre alguns amigos meus, escrevendo textos que nos alertam para a possibilidade de um "golpe" no Brasil em função das manifestações atuais. Seu missivo mais recente pode ser visto aqui: https://medium.com/primavera-brasileira/a321b6486c20

O texto abaixo é minha resposta. Serve para responder a qualquer um que acha que um golpe está sendo organizado pelos poderes ocultos da ultra-direita brasileira...




Como diz Jack o Estripador, vamos por partes, olhando para cada ponto que Marilia levanta:

1) Por que dariam um “golpe”, que golpe seria esse e quem seria responsável?

Marilia admite que não tem porque fazer um golpe, que ela mesma não consegue vislumbrar os agentes políticos que faria o tal do golpe, nem qual seria suas propostas. Coloca como “prova”  de que “algo está sendo montando” barulhos e páginas de internet que são feitas por organizações e pessoas anônimas.

Cara colega, você – como eu – somos professores federais. O que é que falamos para nossos alunos, sempre, sobre a internet? Que não é uma fonte confiável, sendo que qualquer idiota pode botar o que quiser nele...? Uma página no Facebook feita por deus-sabe-quem não é prova alguma da existência de uma conspiração golpista.

Tem gente que se afirma ser militar dizendo que está pronto para “fazer a transição”? Tem crentes da ultra-direita apelando por um estado religioso? E tudo isto no Facebook?! Meu deus, colega! Sabe o que você descobriu? Que o Brasil é um país pluralista em termos de seus grupos políticos!

Sei que é difícil acreditar, sendo que você, como eu, estamos inseridos no sistema universitário, mas existem direitistas no Brasil. Existem fascistas! E alguns deles sabem fazer páginas de FB e montar blogs!

O problema não é que você é paranóica, Marilia: é que você vê padrões onde tem só barulho. Isto é um problema comum entre nos seres humanos, dotados como somos de nossa capacidade superorgânica de manipular símbolos abstratos. É isto que faz as pessoas religiosas veêm o Jesus numa mancha de mofo na parede. Aparentemente, é uma capacidade que também faz sociólogas vislumbrar golpes na barulheira da mídia social...

Mas, ahahn! Não é propriamente de um “golpe de estado” que você está falando e sim desse tal de “golpe de opinião”! Bobo somos nós, então, que entendiam suas palavras na luz do conceito comum da palavra “golpe”. Vamos, então, fingir que “golpe de estado” e “golpe de opinião” são sinônimos, ‘tá? Então quem está preparando esse golpe?

2) Quem participa do poder público no Brasil?
Uau. Então esse tal do “golpe de opinião” foi planejado, em suas raizes, por Dom Pedro I em 1824? É isto a tese que você está sustentando?

Marília, apesar de ser gringo, tenho 25 anos no Brasil, duas diplomas brasileiras em antropologia social e uma norte-americana com especialização na sociologia e na história brasileira. Sei tão bem quanto você – e quanto à maioria de meus colegas que leiam suas missivas – que a história brasileira é fundada numa base escravocrata e profundamente injusta. Também sei que essa base continua vivíssima nos dias de hoje, como quase todos os maiores pensadores brasileiros das ciências sociais têm enfatizado.

Mas tudo isto indica que temos que ter bastante cautela quando utilizamos essa história para criar nossas hipóteses sócio-políticas sobre o Brasil de hoje. A história brasileira é complicada, não é unilinear e CERTAMENTE não é o resumo  da trajetória de uma elite unificada, monolítica, que consegue arranjar tudo de acordo com seu bel-prazer, assim e tal, no decorrer de 500 anos sem modificações significantes.

Vamos olhar para só uma de suas afirmações principais ao respeito dessa história.

Você nos lembra que o votou foi condicionando à alfabetização no Brasil até 1985. E é verdade: isto foi o caso. Mas você sabe – ou deve saber – que isto quase nunca foi empecilho algum na votação no Brasil, sendo que os coronéis da zona rural e os seus primos políticos nas cidades montaram enormes máquinas políticas no decorrer do século XX calcadas no voto popular.  A “democracia” brasileira, diferente da americana, nunca foi efetivamente condicionada pela exclusão do voto: foi formulada pela obrigatoriedade do voto.

Agora, me diga uma coisa: se a elite brasileira é tão unificada e monolítica assim, porque, então, essa grande preocupação como o voto, ao ponto de até obrigar seu uso? Será que é porque a ilusão de democracia é absolutamente importante nas brigas internas dessa classe dominante? E, se isto for o caso, então o que devemos estar tentando enxergar nessa atual crise de ”golpe de opinião” é o seguinte: qual facção dessa classe dominante pensa que só pode ganhar pela baderneira e não pelo voto popular?

E noto que você ainda não nos tem informado sobre quem deveria ser esse grupo.

Vamos lá, então, para....
3) Educação e educação política
A educação deixa as pessoas burras e despolitizadas no Brasil, sei. É justamente por essa razão que socialistas laicos como eu e você ganhamos nosso pão de todo dia como professores, neh?

Mas, OK: concordo. O sistema de educação é, em geral, terrível e cria pessoas despolitizadas. Certo. Onde é, então, que essas pessoas devem se politizar, de acordo com Marx, se não na atividade PRÁTICA, nas ruas, assembléias, conselhos etc. e tal?

 Marx seria a primeira pessoa a advertir que numa situação como essa, a única salvação é através da educação prática. Mas como é que podemos educar, praticamente, se vamos deixar as ruas para os arruaceiros e a gente da direita? Não devemos estar lá nas ruas, educando e divulgando nossas mensagens e propostas, em vez de estar plantado frente ao Facebook, lendo e escrevendo manifestos?

4) Quanto mais gente, menos corrupção
Você REALMENTE acha que “A corrupção nada mais é do que o uso do aparelho do Estado em benefício próprio”? E quem pagou para sua educação e a minha não foi... o Estado brasileiro? Não tiramos algum benefício disso? Ahn, essa não é a mesma coisa? Então podemos hipotetizar que “estado”, no Brasil ou em qualquer outro país, não é apenas uma máquina simples que reproduz fielmente as interesses de uma elite dominante? Podemos concordar que – mesmo que isto seja a operação mais fundamental do estado (afinal das contas, ainda sou marxiano, se não marxista) – na operação cotidiano do Estado muitas contradições e brechas acabam sendo construídas e que nem todas essas operam seguindo a lógica da dominação?

O problema é isto: quanto mais gente MAIS corrupção, Marília. É justamente quando uma série de agentes diferentes, com visões divergentes, entram nos corredores de poder que meios extra-legais acabam sendo construídos para forjar alianças políticas. O escândalo do Mensalão  não aconteceu por causa de uma tentativa de “manter as pessoas burras e afastadas do poder”: aconteceu porque o PT precisava criar meios para governar a cambada de interesses diversas e excludentes que formava sua base eleitoral no Congresso.

A corrupção SEMPRE vai existir em uma democracia justamente por causa da grande variedade de interesses que acabam sendo expressas no parlamento, mesmo se essas são quase todas expressões da classe dominante. Numa ditadura ou num estado fascista, não existe a corrupção justamente porque as coisas que classificamos como “ilegais” na democracia não são ilegais  nesses tipos de governo: ou você é um amigo do poder e pode fazer tudo, ou você não é nada.

Numa democracia saudável, lute-se contra a corrupção, tentando impor regras no jogo de interesses políticos. Presumo que quando chegamos à utopia de um estado socialista, a corrupção vai ser ainda maior e a vigilância contra ela vai ter que ser também maior. A questão posta pela democracia – seja em suas versões liberais ou socialistas – é “O que devemos fazer com a res pública?” Essa pergunta implica-se a possibilidade da corrupção.

Então não, não acho legal você tentar comprovar que, num sistema mais justo, não haverá a corrupção e que a corrupção é causada, fatalmente, pelos interesses da elite.  É uma mentira. A corrupção é nefasta, mas é tanto um componente de democracia (seja que for) quanto as doenças venéreas são componentes de puteiros. Numa democracia – ou num puteiro – saudável, não finge-se que essas coisas são oriundas de “pessoas do mal”. Reconhecemos que fazem parte do negócio e tomamos as medidas profiláticas necessárias.

5) Mas, e o golpe?
Pois é, Marília. Acho interessante esse sobrevôo  que você fez pela história brasileira para nos lembrar que moramos num país injusto, governado por uma classe dominante que não é nossa amiguinha.

OK. E o golpe? QUEM vai fazer?

Ou seja, você pode, usando todos seus dotes marxistas, indicar para nós qual segmento da classe dominante pensa que precisa usar a força em vez das urnas para impor sua vontade?

Vamos ver...

Ahn, então os interesses da pequena elite que sempre dirigiu o Brasil estão sendo atendidos?

E os EUA – o grande bicho papão da imaginação nacionalista – também não tem interesse algum em derrubar a Dilma?

Então....

6) Que tipo de “golpe” seria possível?

Deixo ver se eu entendi bem: você afirma que não tem nenhuma razão por golpe algum, seguindo a lógica marxista, mas acho que há de ter golpe porque você viu alguns reaças fazendo barulho na internet?

É isto, Marília?

Sua única “prova” de que um golpe está sendo planejado é, enfim, tautológica? Um golpe é possível porque há de ter um golpe? Então para poder ter “golpe”, vamos definir o processo normativo de uma democracia burguesa pós-moderna (a manipulação midiática para que a opinião pública aceite e defenda a diminuição de direitos políticos) como “golpe”?

É isto?
Minha amiga, vai ler Chomsky,  “Manufacturing Consent”: isto é o funcionamento NORMATIVO do estado burguês na época da mídia em massa. Encontre-se uma crise agora esse funcionamento somente porque os meios de comunicação temporariamente democratizaram e massificaram-se com a entrada da internet. Um confronto pequeno, então, teve a capacidade de incendiar e massificar uma série de ansiedades políticas que, outra hora, dificilmente ganhariam espaço na opinião pública.

Isto não é golpe: é crise. E a resposta adequada para essa crise não é a construção de teorias de conspiração.

Saturday, June 8, 2013

O Mal Estar da Prostituição

 por Ana Paula Silva

Uma campanha do Ministério da Saúde sobre a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis voltadas para as prostitutas em comemoração ao Dia Internacional das Prostitutas causou celeuma e polêmica. Todos os seus idealizadores foram demitidos ou constrangidos a deixarem o cargo por pressão da bancada evangélica. Acredito que esta primeira ação é esperada, apesar de inaceitável, por parte do governo: desqualificar questões de saúde pública para valorizar os preconceitos e achismos dos defensores da bíblia.

No entanto, um cartaz em particular, provocou reações adversas não apenas em evangélicos, mas em pessoas que se entendem como defensoras de direitos e contra qualquer forma de discriminação. A imagem de uma mulher sorrindo com a frase "Eu sou feliz sendo prostituta" tem sofrido restrições e está sendo acusada de "glorificar", "glamourizar" uma profissão que, segundo estas pessoas, "objetifica", "mercantiliza", trata a mulher como "coisa" e, portanto, uma carreira não digna que qualquer pessoa possa querer na vida.

Frases como "sou contra a prostituição, mas a favor das prostitutas", "este mercado pode ser bom financeiramente para estas mulheres, mas elas precisam ter oportunidades melhores na vida", "como alguém pode ser feliz, fazendo um trabalho tão degradante e imoral como estes?", "não podemos deixar que mais meninas sigam este caminho. Elas precisam de uma vida melhor."

Assim como outros pesquisadores, tenho estudado seriamente o mercado do sexo faz algum tempo e assim, como eles, tenho percebido que as frases ditas acima, são extremamente carregadas de preconceitos que ajudam a legitimar ainda mais o estigma que este grupo social vem sofrendo ao longo de décadas, pois acreditam que a manutenção de um mercado semi-legal, não-regulamentado é a solução para extirpar um "mal" da sociedade. Não adianta achar que ser a favor das prostitutas, mas contra a prostituição garantirá direitos a estas pessoas. Como legalizar a prática e criminalizar o mercado? É minimamente uma incoerência e não resolve os problemas e estigmas que este grupo sofre.

Mas a questão persiste: por que uma mulher, líder das prostitutas, num cartaz dizendo "sou feliz sendo prostituta" causa tanto mal-estar até mesmo nas pessoas que se autodenominam "libertárias" e a favor da construção de "igualdades"?

Acredito que, infelizmente, ser prostituta foi tão estigmatizado (e a ciência colaborou enormemente para isto) que não se consegue vislumbrar que as pessoas que vivem disso  podem ser agentes e  cidadãs. Aprendemos que alguém que é  prostituta por si só está numa condição de inferioridade tão grande que todas as suas capacidades de discernir sobre o que é certo ou errado foram retiradas. Por isto continuam lá. De repente ter alguém fora desse padrão incomoda e parece estar "glamourizando" uma função que sabemos ser de antemão degradante.

Sinceramente o que tenho percebido, e que toda esta celeuma causou, inclusive, entre meus colegas de profissão e militância, é que os eficazes instrumentos de regulação sobre o sexo ainda perduram e se acredita piamente na naturalização do que seria sexo "ruim" e sexo "bom". De que deve existir uma "normalização" das práticas sexuais e as "aberrações" devem ser minimamente controladas.

O que afirmo se torna interessante quando pensamos em quem são os alvos desta "normalização": as mulheres. Nenhuma delas pode em sã consciência decidir ser puta e, independentemente, de sua função serem felizes. As mulheres não podem escolher o que fazer com o seu corpo, em relação ao sexo, particularmente se  não é entendido como "normativo".  "Alugar serviços sexuais" há de ser um vilipendiamento do seu corpo, torná-lo mercadoria exposta, mesmo que seja de sua escolha.

O campo da prostituição é diverso, complexo e não podemos afirmar que existe um tipo de prostituição. Existem muitos tipos e pessoas envolvidas de todas as classes e cores. É uma simplificação acreditar que só pobre se prostitui, no entanto, é interessante refletir sobre as várias trocas afetivo- sexuais que são vistas e entendidas como "prostituição". Determinadas trocas se envolvidas por pessoas  de classes sociais mais abastadas podem ser entendidas como "namoro". São até vislumbrados como relacionamentos de "interesse", mas não merecem as mesmas atenções das forças de segurança que prendem mulheres e violam seus direitos porque são taxadas de "putas".

Enfim, o que tenho estudado demonstra que a categoria "puta" é acusatória e é aplicada quando um certo tipo de mulher de classe e cor está envolvida e por isto, MERECE apanhar ou ser "controlada" e incentivada a procurar empregos "dignos", mesmo que boa parte delas tenha fugido dos entendidos empregos "dignos" que as pessoas teimam em achar que elas devem desempenhar.

Contudo, afirmar isto, é incentivar, glamourizar, glorificar a prostituição, como tenho lido em posts aqui no FB. Desde quando afirmar que estas pessoas precisam e devem ter direitos reconhecidos é glorificar a prostituição?

Então concordamos que para estas pessoas serem vistas como cidadãs elas precisam estar caídas na sarjeta, decadentes e reconhecerem que foram  meninas más por escolherem uma profissão aviltante? Mantendo a prostituição na semi-legalidade é a solução?

Enfim, acredito que muito ainda se precisa pensar sobre isto, mas o que me choca é o nao reconhecimento de pesquisas que já falam isto muito antes da minha entrada neste campo e ainda ouvir comentários de que não existem pesquisas sérias sobre o tema. Amigxs existem pesquisas sérias no Brasil e em outros lugares no mundo sobre o tema, o problema  é que não compactuam com os preconceitos vigentes e as soluções  abolicionistas para acabar com este "mal".

Tornar a prostituição mais ilegal e criminalizada não resolve e ajudamos o Estado a exercer controle sobre as populações  enxergadas como "indesejáveis" e, portanto, passíveis de  controles e restrições quanto aos seus direitos.

Este assunto me tocou profundamente e acho que precisamos ampliar o debate. É urgente e premente. Desculpem o longo post.

Thursday, June 6, 2013

O direito de falar



Como vários de vocês já devem saber, essa semana viu duas derrotas no campo dos direitos das mulheres aqui no Brasil. A semana começou com o Ministério da Saúde censurando imagens geradas por seu próprio equipe em função da celebração do Dia Internacional das Prostitutas. As imagens, que supostamente "glorificaram" a prostituição, foram retiradas do site do Min. Saúde e os responsáveis por sua geração foram sumariamente demitidos.

E, ontem, tivemos um avanço no congresso do Estatuto do Nasciturno, que basicamente situa o corpo da mulher como se esse fosse a propriedade do Estado.

Gente, essas derrotas devem nós ensinar uma coisa: não podemos confiar no Estado.

Menciono isto por que várias vezes nos últimos anos, tenho avisado a meus co-partidários dos movimentos gays e feministas CONTRA a eliminação das proteções constitucionais que existem em prole da liberdade de expressão.

Sim, pessoas como Rafinha Bastos são escrotas e falam um monte de merda. Todavia, exigir que o Estado investiga essas pessoas e as sujeitam a censura e as sanções políticas é um jogo muito perigoso num contexto político em que o Estado pode acabar nas mãos de nossos inimigos.

Não podemos, nunca, militar em prole da destruição dos direitos humanos básicos, mesmo quando nossos inimigos os utilizam para se proteger.

Espero que a atual situação dá uma noção da dimensão do problema que estamos encarando. Me pergunto, por exemplo, se vai chegar o dia em que fico preso por "defender a prostituição" (que é crime no Brasil)?

O direito de se expressar sem temer represálias é absolutamente a fundação de uma sociedade democrática. Quando militamos em favor de sua suspensão por que esse escroto aqui xingou alguém de "viado" ou aquele ali fez piada sobre estupro, criamos as bases para nossa própria censura em prole dos "bons costumes" e das milhares de leis inativas que existem na jurisprudência brasileira.

Está na hora, gente, de perceber que o Estado não é, necessariamente, nosso amiguinho. Aliás, não entendo muito bem como essa visão de "estado como defensor dos fracos" nasceu nos movimentos populares - particularmente num país que tem a história que o nosso tem.





Monday, March 4, 2013

Senhoraismo e Boa Mocismo.

Duas boas moças do FEMEN demonstrando a sensibilidade política, étnica e estética que tem feito a fama do grupo. Somente as bem dotadas e jovens podem protestar contra a influência da religião islâmica na Europa. E é sempre bom se depilar antes de irem ao protesto, neh, gente? Porque nada fala mais alta contra a objetificação do corpo feminino do que sua cuidadosa apresentação, sem roupagem alguma, para os olhos ávidos da mídia global.
 Por Thaddeus
Tenho dois novos termos para posições políticas/culturais dentro do patriarcalismo que são muitas vezes confundidas com feminismo:

"Senhoraismo" (a versão original em inglês: "Ladyism"). Essa seria a posição tomada pela esposa do partriarco. Embora ela é "o segundo em comando", está numa posição bem mais confortável que a maioria das outras mulheres e homens na estrutura interseccionalista da kiriarquia.

Essa é a posição das famosas "Senhoras de Santana", tomada por muitos grupos de mulheres que lutam contra a prostituição e em favor dos bons costumes. É a posição das suffragettes de Idaho, nos EUA: as primeiras mulheres americanas que conseguiram alcançar o voto, usaram seu novo poder para restringir o voto às mulheres "moralmente puras". É a posição da madame, protagonista de várias sambas, que explora sua faixineira e busca construir um casamento socialmente útil para sua filha, independente dos desejos da mesma. A repentina revelação da Xuxa que ela foi vítima de violência sexual e que isto a impediu de construir um relacionamento monogâmico heterossexual duradouro é, a meu ver, umvariante desse tipo de ideologia (se você acha que a Xuxa foi corajosa e deu um bom exemplo, como algumas das minhas colegas do NIEM da Bahia, podemos debater essa questão abaixo).

"Boa mocismo". Podemos pensar nessa posição, metaforicamente, como a da filha do patriarco. Ainda opera, em algun nível, sob a ilusão que seu comportamento sexual/social deve reservar para se mesmo uma posição de distinção moral que pode redundar em privilégios.

Essa seria a posição de mulheres (geralmente jovens) que confundem a pureza sexual com a pureza moral e/ou política. A turma feminina que participou no "slut shaming" de Geisy Arruda oferece um exemplo dessa ideologia em operação. Essas são as moças que vão às marchas das vadias carregando cartazes afirmando que "não sou puta, nem santa"... como se isto valia alguma coisa frente a afirmação da marcha que mesmo putas e santas merecem ser respeitadas como cidadãs. É a posição daquelas pessoas que confundem eroticismo com pornografia e presume que qualquer apresentação do corpo humano em pose sexy "objetifica". Muitas das atividades de FEMEM parecem cair nessa categoria (e, novamente, estou disposto a debater isto com qualquer um que acha que estou errando).

Nem todas as posições tomadas por mulheres, ou no nome das mulheres, são libetárias, corajosas, ou buscam igualar direitos, deveres e privilégios. (E, como todas as posições frente ao gênero, inclusive feminismo, essas ideologias podem ser empregadas por qualquer um, não necessariamente só as mulheres.)

Cometários? Criticas?