Friday, February 7, 2014

Olympic Bathrooms: Casinha Grande e Senzala?



Nick Trask
has some delightful commentary on Sochi bathroom hotels:

"On Sochi hotel toilets: Žižek was right that differences among toilets convey national ideologies. In this case: hastily and shoddily put together to impress Westerners, but also not giving a fuck because fuck Westerners! http://lacan.com/zizek-deep.htm

'It is easy for an academic at a round table to claim that we live in a pos
t-ideological universe, but the moment he visits the lavatory after the heated discussion, he is again knee-deep in ideology.'"

Brazilian Olympic planners should take this into consideration: you can jail dissidents, kill stray dogs, beat prostitutes, torture gays, evict poor communities at the point of the police baton and the Western media will still give you the benefit of the doubt.

Fuck with the journalists' shitters, however, and you'll have a PR disaster on your hands.

It's going to be fun to see how these same people react to Rio in six months time.

Here, toilets are completely schizophrenic.

Some rival anything in the first world for comfort and convenience, at least outwardly. Most, however, are cracked and stained, lacking seats, and can't reliably swallow toilet paper.

Even in the best bathrooms, however, where no expense has been spared to convince guests that they are crapping in civilized comfort, problems are routine. Brazilian plumbers have apparently never heard of S-traps, so sewer gas will frequently waft up from below. And, for some reason, bathroom builders here often have a hard time anchoring toilets to the floor. As you lean over to go for the paper, you'll thus often find yourself wobbling precariously on your porcelain throne.

Brazilian bathroom behavior is even more revealing. Many men display their patriarchical contempt for the (often literally) shitty accomodations by walking to the door of the commode and letting loose with a spray in the general direction of the bowl.

Meanwhile, women (educated from childhood on that the vagina is the sacred repository of the family's honor and should never be sullied by public exposure) often decide to perch on top of the toilet bowl, planting their feet on it and crouching to do their business (which might explained why the fixtures so commonly come unanchored in this country).

In spite of the fact that the Russians invented the name, however, Rio has had much more practice at building Potemkin Villages, so we'll see how many of these hard-boiled seekers of truth get fooled.

Wednesday, February 5, 2014

On Woody Allen, Mia Farrow and the construction of benevolent personalities through virtual lynching

Captain John Alden, denounced as a witch by a child, Salem Massachusetts, 1693



By Thaddeus (Ana Paula does not want to be associated with anything that has to do with the Farrow/Allen debate)

Here's the problem: Dylan Farrow was certainly abused. The question was, who did it?

In spite of all the emotions that are running very high on this issue, we know for a fact that not all child-abuse accusations are true, especially when they are made by 7 year old children with emotional problems who are caught in the middle of extremely ligitiious divorces.

Memories can indeed be manipulated and implanted. We know that for a fact. In fact, we admit that every time we accept that someone remembered child sexual abuse after twenty years of denying it.

And kids can indeed be manipulated into telling false stories of sexual abuse. This has happened many times. The people who were falsely accused of raping children during the 1990s "ritual satanic abuse" panic are only getting out of jail now and there are people who were child witnesses back then who STILL believe that the stories they said were true.

Kids can indeed be manipulated. If they are in a psychological environment which supports the false stories, they can believe them for their whole lives. We know this is true because this is precisely what happens when a child sexual abuse survivor is brainwashed to accept, whole-heartedly, a story that nothing ever happened.

It's not up to me to say whether or not Woody Allen is guilty, at 20 year remove, via FB. What I will say is that I feel there's just as likely a probability that Dylan Farrow was abused by her mother as by her father. I'm thus not really sympathetic when people say I HAVE to believe that Allen is a kiddie fiddler because otherwise there's a chance I'm supporting a child abuser.

If the child psych experts were correct in their analysis, then Mia Farrow was the abuser. Could they have made a mistake? Yes, they could have. But take a moment to think that they might just as possibly have been right about the case and that if this is true, uncritically accepting Farrow's story would thus also be supporting a child abuser.

Whom I support is Dylan Farrow. I think she was abused and needs all the aid she can get. What I have my doubts about are whether or not her memories of that abuse are what really occurred.

This raises a lot of emotions because too often, abused people are NOT listened to and their experiences are dismissed out of hand. But that is not what occurred in this case. Dylan Farrow's story wasn't ignored: it was investigated at the time by a board of very competent child psych specialists who were appointed by the court. Their professional opinion was that Farrow was being unduly influenced by her mother, that her story was inconsistent, that she had a difficult time distinguishing fact from fantasy and that there was no other evidence to corroborate the claims that abuse had occurred. Farrow had excellent in-court suppot. The judge was sympathetic to her. The prosecuter was so notoriously sympathetic that he was officially investigated for misconduct.

This is not a case where a child's accusations were dismissed out of hand or where she was told to shut up by everyone she loved.

I disagree that a charge of sexual abuse of children is notoriously easy to defeat, as far too many people are claiming. There are many people who have gone to jail over false charges and the legal and social repercussions of even a unsuccessful attempt to acuse someone of child abuse can be crippling.

I also know, for a fact, that the worst witch hunts have always been those carried out in the name of protecting innocent children. These often use children's accusations as the "proof" needed to lynch. Two excellent examples of this are the Salem Witch Hunts and anti-semitic blood libel.

It is PRECISELY because child sexual abuse is so serious and so prevalent that we cannot treat accusations of it as ipso facto proof, putting on three ring circuses where we're all invited to create benevolent identities for ourselves through the expedient of lynching monsters.

I will go to my grave insisting on some evidence to back up charges of misconduct, sexual or otherwise. The word of a self-proclaimed victim - no matter how photogenic that person might be, no matter how desperate his or her story - is simply not enough, on its own, to condemn someone of a serious crime.

Defriend me if you like, but I've seen as much abuse created by presumptions of guilt without proof as I've seen created by closeted, all-powerful pedophiles.

Blood Libel: painting adorning Sandomierz Cathedral, Poland


CODA
In the context of this on-going debate, I've been thinking about Margaret Atwood's The Handmaid's Tale. If you've read it, you'll probably recall when the anonymous heroine, offred, goes to an officially sponsored lynching of an accused rapist. Offred and the other "handmaids", who are the most objectified, sexually oppressed citizens of the Evangelical Christian State of Gilead, are invited into the stadium to tear the accused apart with their own hands.

Offred participates enthusiastically and then, on her way home, contemplates how society has neatly directed her anger towards her own oppression into a means of supporting its precepts.

Abortion rights are being pushed back everywhere in the world. Female poverty is at an all-time high. Reproductive care? Claim you have a right to it and Congressmen will call you a slut in front of the nation. Sex work is criminalized even though we all know full well that the police are sex workers' worst abusers. The sacrosanct Family is being represented as the cure-all for every female complaint. Meanwhile, rape and abuse continue unabated.

But hell, let's get socially lynch someone who the courts cleared two decades ago and for which no evidence against has surfaced since. Let's simultaneously claim the courts are patriarchical and hate women and minorities while clamoring for more and harsher laws, more police powers and demanding that accusations be seen as proof, in and of themselves. And we'll justify all this by recourse to our own exploitation and victimhood. Because we were abused - or know someone who has been abused - Woody Allen must be guilty.

That's what the emotionalities in this case are apparently boiling down to: fuck proof. My pain is all the proof I need to call for another human being's lynching.

Friday, January 31, 2014

Norte-americano cria lista com motivos pelos quais desconfia das opiniões de gringos que viviam no Brasil





 
Em 2001, defendi minha tese de mestrado, “Gringos”, no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social no Museu Nacional. Modéstia aparte, pelo que eu saiba, ela é até hoje a única tentativa de olhar para os anglo-americanos enquanto imigrantes ao Brasil.

No decorrer da minha pesquisa, entrevistei  57 gringos anglofalantes, residentes na Cidade Maravilhosa. O corte analítico era isto: para ser entrevistado, a pessoa em questão tinha que estar vivendo no Brasil por pelo menos um ano, tinha que falar português, e tinha que ter nenhum plano de regresso a seu país de origem logo em seu horizonte de possibilidades. Tive que adotar esses critérios, pois os gringos anglofalantes quase nunca se consideram como “imigrantes”: imigrante é aquele asiático, africano, ou latino americano que vive nos países de origem deles. Um americano radicado no Brasil faz 25 anos (como eu) é um “expatriado” e nunca um membro da nação onde mora, muito menos um aspirante a cidadão.

Descobri muito sobre os gringos, mas a coisa mais importante que apreendi era como era comum – e geralmente não reflexivo e superficial – a maioria das opiniões formadas que essas pessoas tinham sobre o Brasil, particularmente enquanto comparado com seus países de origem. Mais preocupante, percebi como meus próprios pensamentos teriam sido influenciados por esses preconceitos fáceis.
A partir daquele momento, nunca mais tomei qualquer coisa que um gringo falasse como observação inocente ou objetiva sobre o Brasil. As comparações entre o Brasil e seus países de origem costumam ser particularmente carregadas de posições ideológicas e tramas psicológicas não examinadas. Isto não quer dizer que tudo que gringo fala é uma merda: estou apenas afirmando que nenhuma observação do Brasil, feito por imigrante ou visitante, vem desacompanhada de crenças embutidas sobre a natureza do mundo e o local devido dos brasileiros (e dos gringos) nele.

Faz mais ou menos 4 semanas, está aparecendo em minhas redes de sociabilidade digitalizadas um artigo escrito por um tal  de “Mr. X”, que vivia por três anos em SãoPaulo e aparentemente não gostou muito da experiência. Não conheço pessoalmente o Mr. X, mas pelo pouco que transpira de sua lista, parece ser um caso típico de gringo que casou com brasileira, imigrou em função desse casamento, nunca se encaixou nessa sociedade e, desfeito o casamento, voltou para os EUA xingando tod@s pois, obviamente, o desastre não podia ter nada a ver com ele mesmo enquanto pessoa: o culpado tinha que ser o Brasil.

A  lista do  Mr. X continua circulando, porém, entre meus amigos brasileiros – geralmente os da classe média p’ra cima – juntos com uma série de comentários sobre como o gringo acertou na mosca. Para mim, isto era mais que previsível. Eu estava até sentindo falta daquilo que minha esposa, a antropóloga Ana Paula da Silva, chama de “o complexo dos vira-latas”: a profunda crença brasileira que esse país é terminalmente condenado a uma inferioridade sócio-cultural-político-econômico enquanto comparado com a Europa Ocidental e os EUA. Essa síndrome tradicional tinha sido temporariamente apagada pelos gritos de “Anauê!” e outras manifestações do nacionalismos barato, inculcadas pela euforia frente ao relativo sucesso econômico do Brasil durante a primeira década do Século XXI. Não é de surpreender, porém, que frente aos tumultos do inverno e a desaceleração da economia, estamos de volta ao bom e velho pessimismo sobre o Brasil. 

É bom lembrar nessas horas o que eu apreendi em meu estudo sobre os migrantes anglofalantes: nenhum deles (inclusive eu) fala inocentemente sobre o Brasil, particularmente quando compara o país com seus países de origem.  E, com o intuito de explorar essa descoberta com vocês que, como eu, devem estar encontrando a lista de Mr. X em toda parte, escrevo minha própria lista. Essa é intitulada “por que devemos desconfiar das opiniões de gringos que passam uns meses ou poucos anos vivendo no Brasil”. Vamos lá...



1)            Os gringos raramente constroem redes sociais extensas ou profundas com brasileiros quando estão aqui. Tipicamente, seus interlocutores nativos são das famílias de seus parceiros amorosos ou, as vezes, do trabalho. 

2)            Geralmente, os gringos interagem com o Brasil de uma maneira agressiva e oportunista. Ou seja, estão aqui em função de projetos pessoais que querem avançar, as vezes a qualquer custo. O Brasil, enquanto país e sociedade, tem uma certa utilidade enquanto possibilita ou avança esses projetos: na medida em que os impeça, é inadequado. 

3)            Os gringos adoram criticar a falta de consciência brasileira para com o meio ambiente, principalmente para evitar pensar sobre como suas sociedades de origem também estão acabando com o planeta. Frente aos desastres do British Petroleum no Golfo de México e do Freedom Industries em Virginia Ocidental, para não falar dos escândalos de fracking e do projeto tar sands e a  destruição ecológica incipiente da Grande Barreira do Coral,  é surpreendente que qualquer britânico, canadense, australiano, ou americano poderia avaliar o Brasil como mais displicente com o meio ambiente que seus países de origem.  

But hey: the Amazon.

4)            Os gringos – e particularmente os americanos –  toleram uma quantidade incrível de corrupção nos negócios e governo. Diferente dos brasileiros, porém, recusam admitir ou criticar isto. Dessa maneira, atos que dariam em escândalos e prisões no Brasil – o mensalão, por exemplo – são legitimizados como “business as usual” em seus países de origem.

5)            As mulheres gringas são excessivamente obcecadas com seus corpos e são muito críticas (e competitivas com) as outras. Pior: gostam de presumir que “seu” feminismo é o mais avançado e igualitário do mundo, mesmo quando fazem tais coisas como criminalizar a prostituição, prendendo mais de 60.000 mulheres por ano pela venda do sexo (como é o caso dos EUA).  Precisam construir uma mulher “terceiro mundista objetificada e infiorizada” para puder se sentir superior frente ao machismo e sexism que infiltram suas próprias sociedades.
6)            Os gringos, principalmente os homens, são altamente propensos a casos extraconjugais. Se duvida disto, sai andando por nossas praias e veja quantos lobos solitários estrangeiros – devidamente casados em seus países de origem – estão a espreita.

7)            Os gringos, especialmente as pessoas que vendem novos produtos e tecnologias, são geralmente malandras, preguiçosas e quase sempre desonestas. 

8)            Os gringos são muito expressivos de suas opiniões negativas a respeito do Brasil e dos brasileiros, com quase total desrespeito sobre a possibilidade de ferir os sentimentos de alguém. 

9)            Os gringos têm um sistema de classes muito proeminente. Os ricos têm um senso de direito que está além do imaginável. Eles acham que as regras não se aplicam a eles, que eles estão acima do sistema, e são muito arrogantes e insensíveis, especialmente com o próximo. Como prova disto, é só dar uma olhada nas penalidades sofridas pelos chefes das maiores instituições financeiras dos EUA e da Europa Ocidental frente aos desastres econômicas de 2008-2009, causados por suas práticas desonestas. Compare essas a penalidade que um jovem negro sofreria em Califórnia se fosse preso assaltando  um posto de gasolina por USD 20. Ahn, a famigerada justiça do país que é o maior estado policial de todos os tempos, os EUA!

10)         Gringos constantemente não leiam, escutam, ou pensam sobre quaisquer opiniões que não são formuladas dentro de seus próprios países. A história, para eles, simplesmente não inclui 90% da raça humana.
 

Agora, se você anda furioso com essa lista de preconceitos, ótimo. Sugiro que você aplica o mesmo raciocínio à lista original.

A verdade da situação é essa: qualquer generalização que você pode fazer de uma sociedade de 200 milhões (ou um bilhão... ou um milhão...) de indivíduos vai ser altamente condicionada á milhões de exceções. Mas o mais que você amplia essas observações, o mais que elas podem referir a qualquer lugar, qualquer povo, qualquer tempo.... Dizer que a mulher brasileira vive numa regime de beleza filha-da-puta e repressora, que prega o moralismo falso, é mais que correta. Onde eu salto do Trem da Alegria, porém, é quando essa é situada como pior (ou melhor) que a situação das americanas.

Ou seja, pimenta nos olhos dos outros refresca, neh?

Criticar os problemas de uma sociedade é uma coisa. Fazer isto com o claro intuito de sugerir que seu país de origem é superior vai além do etnocentrismo: é simplesmente ridículo.  Fala muito mais alto sobre as inseguranças e preconceitos da pessoa que cria a comparação do que sobre as duas sociedades comparadas.

Para com o Mr. X,  só posso falar que é triste que seu casamento acabou num divórcio. A causa dessa situação, porém (e dos três anos de vida que ele deixou em São Paulo) não é o Brasil.

E para vocês brasileiros que estão enchendo minha muralha de Facebook com as observações de Sr. X, como se estas fossem profundas ou originais, vai refletir um pouco sobre o que o dor de cotovelo é capaz de provocar numa cultura que não tem tradução adequada para a palavra “saudades”.



Wednesday, January 29, 2014

Ainda sobre Pete Seeger...





Mais uma de Pete Seeger.

Em 2009, foi convidado a tocar "This Land is your Land", de Woody Guthrie, na festa de inauguração de Barack Obama, junto com Tao e Bruce Springsteen.

"This land" tem uma históia estranha. Embora considerado por muitos americanos como o hino nacional alternativo dos EUA, música obrigatória em apresentações de colégio etc. e tal, também é uma música p'ra lá de censurada..

Guthrie originalmente escreveu a música com três versos que são vistos como ataques contra a propriedade privada e o governo americano. Mesmo hoje, são raramente cantados e os professores rotineiramente "esquecem" de ensiná-los a seus alunos:

    Nobody living can ever stop me,
    As I go walking that freedom highway;
    Nobody living can ever make me turn back
    This land was made for you and me.

    In the squares of the city, In the shadow of a steeple;
    By the relief office, I'd seen my people.
    As they stood there hungry, I stood there asking,
    Is this land made for you and me?

    As I went walking I saw a sign there
    And on the sign it said "No Trespassing."
    But on the other side it didn't say nothing,
    That side was made for you and me.


É ativismo demais para os sentimentos democráticos americanos, aparentemente.

No evento de Obama, porém, Pete e Bruce fincaram os pés e insistiram em cantar TODA a música, mesmo com os versos censurados.

Pete começa os versos censurados no 2:33 no vídeo e você pode ver ele claramente se deliciando com a situação. Dá para entender EXATAMENTE o que passou por sua cabeça neste momento:

"E aí, Woody? Imaginou um dia que eu estaria nas escadas do Lincoln Memorial, cantando 'This Land' interinho, ao convite do primeiro presidente negro dos EUA, justamente em sua festa de inauguração?"

É maravilhoso que Pete teve esse momento e que sua esposa Toshi (que morreu no ano passado) testemunhou o feito. Era uma reivindicação de tudo que Pete sustentava.

No 2:54 e 3:21, dá para ver a cara de sapeca dele enquanto ele dá a banana ao capitalismo frente ao Presidente.

(Obrigado, Bia Botafogo, por me lembrar deste vídeo.)